Saltar para o conteúdo principal da página

Área Técnica Arquitetura empresarial da Administração Pública

23.08.2022

Definição

Do que trata esta área técnica?

As entidades e organismos da Administração Pública que queiram iniciar o seu processo de transformação digital, é exigido que conheçam muito bem o seu ecossistema (recursos, procedimentos e tecnologias de informação e de comunicação) e estejam preparados para adaptações constantes geradas pela evolução dos seus modelos de negócio.

A arquitetura empresarial permite responder a essas necessidades pois proporciona o alinhamento entre negócio e as TIC, mapeando aplicações, tecnologias e dados para os fluxos de valor e funções de negócios que eles suportam. Ela define as capacidades e interdependências de negócio conforme se relacionam com a estratégia da entidade ou organismo, preenchendo a lacuna entre a ideação e a implementação.

Uma estrutura de arquitetura empresarial eficaz produz um plano gráfico de modelos operacionais, identifica riscos e oportunidades e permite a criação de planos evolutivos da tecnologia.

Benefícios

Porque é que é importante?

  • Torna a arquitetura tecnológica do Estado mais articulada e transversal;
  • Aumenta o reaproveitamento de recursos físicos e humanos;
  • Traduz-se em projetos mais ágeis e com um time-to-market mais interessante;
  • Reutiliza de forma escalável soluções tecnológicas;
  • Potencia a partilha de aprendizagens em várias equipas e contextos.

Princípios de arquitetura

O que é necessário fazer?

Os princípios de arquitetura são um conjunto de regras que servem como guias no desenvolvimento da arquitetura e na sua contínua evolução. Os princípios provêm dos objetivos do negócio e das linhas orientadoras na definição da arquitetura. E são usados como alicerce para as tomadas de decisão no desenvolvimento e na implementação da arquitetura.

Segundo a comunidade The Open Group, demasiados princípios podem reduzir a flexibilidade da arquitetura que se queira definir. Nesse sentido e seguindo esse conselho, apresentamos apenas os 22 princípios macros da arquitetura sugeridos pelo grupo suprarreferido, distribuídos por 4 grupos temáticos.

Relacionado com o negócio

A descrição da estrutura e interação entre as estratégias das unidades de negócio da organização e as suas funções, para além das informações necessárias nos processos de negócio.

1. Maximizar os benefícios para o cidadão
2. A gestão das tecnologias de informação e comunicações é um tema que diz respeito a todos
3. Garantir a continuidade e resiliência do negócio
4. Conformidade com a lei, normas e regulamentos

Relacionado com a informação

A estrutura de informação dos dados lógicos e físicos de uma organização e seus recursos de gestão de informação.

5. Os dados como um ativo essencial
6. Os dados devem ser partilhados e reutilizáveis
7. Utilizar um vocabulário e definições de dados comum
8. Aplicar regulamentos e normas de privacidade e de segurança dos dados

Relacionado com a aplicação

A descrição da estrutura e da interação das aplicações enquanto grupos de capacidades que fornecem/suportam as principais funções de negócio e gerem os ativos de dados.

9. Aplicações fáceis de usar e acessíveis
10. Reutilizar componentes comuns à Administração Pública
11. As aplicações não dependem da tecnologia
12. Segurança das aplicações

Relacionado com a tecnologia

Uma descrição da estrutura e interação da plataforma de serviços e componentes tecnológicos físicos e lógicos.

13. Controlo da diversidade tecnológica
14. Interoperabilidade tecnológica

Plataformas comuns

Que soluções existem?

A criação de eficiências na gestão dos serviços públicos digitais que o Estado coloca à disposição dos cidadãos, tem tudo que ver com a escalabilidade e reutilização de soluções. Tendo essa meta como objetivo último, as plataformas comuns são todas as plataformas criadas pela Administração Pública que podem e devem ser utilizadas por todas as entidades públicas para a implementação de determinado tipo de funcionalidades nos serviços públicos digitais que têm por missão construir e evoluir.

Este princípio está relacionado com os seguintes elementos do Mosaico...